Publicado em Deixe um comentário

ANAC emite autorização para drone de inspeção de linhas de transmissão de energia

Aeronave possui 4 metros de envergadura e motorização a combustão

A utilização de aeronaves remotamente pilotadas (RPAS) — popularmente conhecidas como drone — em atividades comerciais tem se tornado cada vez mais frequente no país. Recentemente, com a emissão de mais uma autorização de projeto para exploração comercial realizada pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), o número de drones aumentou. A novidade desta vez é que o modelo batizado de RPAS-112 se tornou o primeiro drone certificado pela Agência movido à combustão.

Com uma estrutura convencional de asa fixa, de envergadura de 4 metros e comprimento estimado de 3 metros, a aeronave — que também possui altura de 50 centímetros e peso máximo de decolagem de 25 quilos — poderá realizar voos além da linha de visada visual (beyond visual line of sight – BVLOS), em até 120 metros de altitudes e até 7 km de distância do ponto de decolagem.

Nesta quinta-feira (10/6), representantes da ANAC, EDP, empresa que atua em segmentos do setor elétrico e idealizadora do projeto, e da ENERGIAS – Assessoria em Sistemas de Energia e Comércio Ltda – participaram da solenidade de certificação da aeronave. Durante o evento, o Superintendente de Aeronavegabilidade da Agência, Roberto Honorato, destacou que “esta aprovação emitida pela ANAC demonstra a capacidade da tecnologia em atender demandas específicas da sociedade, para as quais as formas usuais se mostram onerosas ou mesmo de difícil escala.

Além disso, o fato deste desenvolvimento ser realizado no Brasil sinaliza que o projeto e fabricação de drones está em alta. Os benefícios para a sociedade Brasileira tendem a ser crescentes.”

 Etapas de trabalho e utilização da tecnologia

O processo de certificação do RPAS-112 foi concluído após três anos de intenso trabalho, período que a área técnica da Agência validou etapas importantes do projeto de desenvolvimento e de tecnologia do drone, como análise dos relatórios, acompanhamento dos ensaios de voos realizados e ateste do cumprimento dos normativos existentes. A última etapa do processo de autorização ocorreu em abril deste ano, com a realização de testes acompanhados por técnicos da ANAC na cidade de Pindamonhangaba, em São Paulo.

A certificação do projeto foi conduzida na Agência pela Energias, empresa especializada na legislação do setor energético e em desenvolvimento tecnológico. O drone será empregado em atividades relacionadas à inspeção de linhas de transmissão elétrica operadas pela EDP — distribuidora de energia — em cidades de São Paulo e do Espírito Santo. Além da certificação da ANAC, o drone possui autorizações do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA) e das Agências de Telecomunicação (Anatel) e de Energia Elétrica (ANEEL).

Assessoria de Comunicação Social da ANAC
E-mail: 

#foxdrones

Gostou do artigo? Deixe seu comentário!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.