Publicado em Deixe um comentário

Drone ajuda bombeiros a resgatar jovens ilhados em correnteza nos EUA

Os bombeiros tiveram de usar um drone para salvar um adolescente e um menino mais novo quando eles ficaram presos em uma rocha cercada por forte corrente de água. Equipes de resgate tentaram alcançar o par em uma jangada, mas quando as ondas se tornaram esmagadoras eles remaram de volta à costa e utilizaram uma pequena aeronave não tripulada para jogar uma linha sobre os meninos.As crianças, idade 18 e 12, foram passear de barco pelo rio Androscoggin em Mechanic Falls, Maine na terça-feira quando eles ficaram presos em uma superfície da rocha escorregadia. Apenas um estava usando um colete salva-vidas, e eles não conseguiram navegar com segurança pelas correntes imprevisíveis. Então o chefe dos bombeiros Frank Roma, de Auburn Maine, um condado na região sul do estado, anexou uma linha de corda em seu próprio DJI Phantom 3 e pilotou o drone pelo meio do rio. Ele, então, enviou um colete salva-vidas pela corda, enquanto o drone fornecia uma visão aérea da situação.

“Eu consegui levar o drone até as crianças; abaixá-lo para o nível deles”, disse Roma à WMTW, uma estação de TV local. “Eles foram capazes de pegar a corda e obter o colete salva-vidas e então coloquei o drone de volta ao ar para ter uma visão aérea.”

Vários vídeos e imagens na página de Facebook dos Bombeiros de Auburn detalham o resgate, em que nenhum menino foi ferido.

O chefe Roma disse que comprou o UAV com seu próprio dinheiro, mas vê novas vantagens óbvias para as equipes de resgate se investirem em drones. Este resgate vem apenas semanas após equipes de salva-vidas em outro lugar nos EUA utilizarem pequenas aeronaves não tripuladas para patrulhar mares em busca de tubarões e outras ameaças na praia.

“Eu acho que nós apenas começamos a arranhar a superfície do uso de drones no campo de emergências”, disse Roma a WMTW-TV. “Eu era capaz de ver exatamente o que o drone estava vendo. Eu era capaz de direcioná-lo para onde ele precisava ir.”

Será que aqui no Brasil vamos começar a ver drones sendo utilizados em casos de emergência também?

Fonte: abcnews

Publicado em Deixe um comentário

Drone de resgate se modifica para entrar em diferentes ambientes

.
.
.

Drone de resgate se modifica para entrar em diferentes ambientes

Um novo tipo de drone foi criado pela equipe de pesquisadores do Grupo de Percepção e Robótica da Universidade de Zurich, na Suíça, para auxiliar em inspeções de construções após situações de desastre.

Em caso de terremotos, por exemplo, o drone atravessaria até mesmo passagens mais estreitas, se espremendo e desdobrando para voltar à forma normal após conseguir entrar no local. Inspirado nas dobras de asas de pássaros, o veículo financiado pela Fundação Nacional de Ciências da Suíça e parte do Centro Nacional de Competência em Pesquisa Robótica também pode segurar e transportar objetos durante o trajeto.

“A nossa solução é bastante simples do ponto de vista mecânico, mas muito versátil e autônoma, com sistemas de controle e percepção de bordo”, conta o autor do estudo Davide Falanga.

A novidade segue em desenvolvimento, sendo projetado como um quadricóptero e quatro hélices que giram de forma independente, montadas em braços móveis capazes de se dobrarem em torno da estrutura principal. O drone também conta com um sistema que se adapta em tempo real à nova posição dos braços, responsável por ajustar o empuxo das hélices conforme o deslocamento da gravidade.

Stefano Mintchev, coautor do estudo, explica que o drone pode adotar diferentes configurações de acordo com o ambiente em que precisará adentrar, mudando para forma de “H”, “T” “X” ou “O”.

Futuramente, o foco dos pesquisadores será aprimorar a estrutura do drone e desenvolver algoritmos para que ele se torne verdadeiramente autônomo. “O objetivo final é dar ao drone uma instrução de alto nível, como ‘entre naquele prédio, inspecione todos os cômodos e volte’, deixando ele descobrir sozinho como fazer isso”, complementa Falanga.

A pesquisa completa do projeto está disponível online.

Fonte: Eureka Alert

 

Publicado em Deixe um comentário

Buscas, Salvamentos e Resgates tornam-se mais eficientes com o uso drones

 

O Corpo de Bombeiros & Departamento Médico de Mesa, cidade norte-americana, atendem à sua comunidade de forma mais eficaz com a nova tecnologia de drones

O clima desértico e a paisagem complexa nos arredores de Mesa, a dinâmica metrópole na zona Leste de Phoenix (Arizona, EUA), oferecem aos amantes de atividades ao ar livre um local ideal para caminhadas e mountain biking. Assim como qualquer outra paisagem desértica, o encanto do meio ambiente selvagem tem seu preço, apresentando alguns riscos e questões de segurança. Entre cerca de mais de 5 mil acidentes atendidos pelo Corpo de Bombeiros & Departamento Médico de Mesa todos os meses, vários deles requerem missões de busca e resgate especializadas por trilhas sinuosas e terrenos acidentados. “Temos algumas trilhas no deserto que se espalham por toda a parte e que atravessam outras trilhas. Localizar pessoas cruzando estas trilhas é um verdadeiro desafio”, afirma Dean Morales, Capitão de Operações Especiais no Corpo de Bombeiros & Departamento Médico de Mesa.

Sempre buscando maneiras inovadoras que permitam à sua equipe melhor servir sua comunidade, o Corpo de Bombeiros & Departamento Médico de Mesa é bastante proativo em se tratando de adotar novas tecnologias. “Em 2015, nosso departamento foi um dos primeiros a implementar efetivamente um programa com drones no Arizona. Drones simplificam nosso trabalho e isso é uma grande ajuda”, diz Brian Kotsur, Vice Xerife e Comandante de Operações do Corpo de Bombeiros & Departamento Médico de Mesa.

Os socorristas de Mesa encontraram uma nova ferramenta para que suas equipes tenham um melhor desempenho, com maior segurança e eficiência. A tecnologia de drones não apenas propõe um novo modo de comunicação durante operações, como ainda amplia a habilidade de socorristas em ambientes selvagens de salvar vidas.

Sempre pronto para entrar em ação

O novo Mavic 2 Enterprise da DJI é o mais compacto drone já construído para uso em empresas e em segurança pública. Pesando cerca de 905 gramas, o Mavic 2 Enterprise possui uma incrível mobilidade, essencial para missões de busca e resgate nas quais uma diferença de segundos pode salvar vidas.

O Mavic 2 Enterprise é a solução mais completa e prática em se tratando de resposta a emergências. Socorristas e prestadores de socorro são capazes de transportar o drone por conta própria em uma bolsa ou sacola, podendo usá-lo imediatamente após chegar no local, gastando menos tempo em missões críticas como análises de mecanismo de injúria (MOI) e planejamento de evacuação. Com baterias com aquecimento automático, o drone permite que socorristas operem com máxima eficiência em temperaturas frias ou abaixo de zero, fundamental para missões de resgate conduzidas em terrenos acidentados isolados.

Imagens aéreas ajudam os socorristas do Corpo de Bombeiros & Departamento Médico de Mesa a melhorar sua percepção situacional de forma eficiente antes de chegar ao incidente. Drones auxiliam no trabalho de localização das vítimas, tornando o resgate mais eficiente, além de reduzir os riscos, mantendo os socorristas em segurança.

Visibilidade em todos os ambientes

Drones permitem que equipes cubram vastas áreas em um curto período, gerando informações acessíveis aos membros enquanto encaminham-se ao incidente. O Mavic 2 Enterprise vem equipado com uma câmera com zoom dinâmico, concedendo às equipes de resgate imagens aéreas ao passo que mantém uma distância segura de áreas de risco, como desfiladeiros profundos, encostas de precipícios ou terrenos instáveis.

A distância não é o único empecilho em se tratando da obtenção de imagens visuais. Morales descreve um caso recente no qual sua equipe teve que localizar uma vítima em áreas com pouca iluminação. “Costumamos conduzir missões noturnas. Houve um acidente no qual um ciclista de 35 anos atingiu uma rocha durante a trilha. Era noite, o que dificultou ainda mais sua localização”, diz Dean Morales. Ao acoplar um Holofote no Mavic 2 Enterprise, o alcance visual dos socorristas é automaticamente ampliado em áreas com pouca iluminação, auxiliando ao guiar as vítimas em direção a eles.

Facilidade de comunicação durante operações

Em missões de busca e resgate, é comum que vítimas acidentadas há várias horas entrem em pânico e hajam impulsivamente, colocando suas vidas em risco. É importante que equipes de resgate gerenciem as instruções, deem apoio moral e ordens de forma efetiva ao comunicar-se com as vítimas.

O alto-falante do Mavic 2 Enterprise permite que equipes se comuniquem entre as equipes terrestres em situações emergenciais. Ao guiar pilotos e socorristas efetivamente por qualquer operação e emitir mensagens às vítimas, o alto-falante permite à equipe dar instruções capazes de salvar vidas.

Fazendo a diferença

“A chave da questão é fazer a diferença na vida de alguém. Ajudar as pessoas é uma ação incrível. As vantagens e utilidades dos drones irão crescer exponencialmente. Graças ao uso de drones, vidas serão salvas com o auxílio desta tecnologia”, afirma Brian Kotsur.

Até o momento, mais de 910 agências públicas nos Estados Unidos já estão usando drones diariamente. Constituindo um aumento de cinco vezes de 2013 a 2015. Salvar vidas é uma causa nobre que pode se tornar ainda mais eficaz e segura com o uso da tecnologia de drones.

Fonte: Revista Digital Securiyt

 

Publicado em Deixe um comentário

Antes do drone, A Team (Esquadrão Classe A) resgata cães cercados por lavas de vulcão em La Palma

Antes do drone, “Esquadrão Classe A” resgata cães cercados por lavas de vulcão em La Palma

Dias atrás, uma Empresa de Drones planejava um resgatar cães isolados pelas lavas do vulcão em La palma ( ver matéria ), mas o inusitado aconteceu antes… Um Grupo Misterioso denominado “A Team” que pode ser traduzido como Esquadrão Classe A, regatou os animais.

PARABÉNS A ESTES HERÓIS ANÔNIMOS

Pois a Empresa esperava uma autorização que veio apenas 07 dias após o pedido. UM ABSURDO!!! 

07 dias esperando uma autorização para salvar vidas??? O “ser humano” perdeu a noção de tudo colocando “leis” acima de VIDAS, mas sempre aparecerão HERÓIS COM BOM SENSO E HUMANIDADE.

 

veja matéria abaixo:

===================================================================================

Os animais estão bem e com o dono, um caçador de 70 anos que perdeu a casa após a erupção, segundo um jornalista local que soube da história

Um grupo misterioso que se denomina A Team (Equipe A) assumiu nesta quinta-feira o resgate dos cães que não conseguiam sair da área de um reservatório cercado por lava da erupção do vulcão em La Palma. A declaração foi feita em um cartaz mostrado em um vídeo veiculado pelo grupo nas redes sociais: “Força, La Palma, os cachorros estão bem”, diz o cartaz. A Aerocamaras, empresa galega de drones que se deslocara até a ilha para tentar resgatar os animais, retirou-se do local, já que seus voos confirmaram que os cães não se encontram mais na zona e há pegadas humanas em volta do reservatório.

Os cães pertencem a “um caçador de 70 anos que estava caçando no domingo em que o vulcão entrou em erupção”, disse ao EL PAÍS Pedro Montesinos, jornalista da 7.7 Rádio La Palma. “A Guarda Civil o obrigou a deixar a área sem os animais e agora ele está instalado em outro local”. Por isso, os cães tiveram que voltar para casa guiados por seu olfato e instinto. Eles permaneceram na casa até a última segunda-feira, dia em que foram resgatados. “É um homem que perdeu tudo, que só ficou com os cachorros, e agora teme um processo dos defensores dos animais”, diz.

Por esta razão, a Aerocamaras não conseguiu detectar a sua presença com o seu equipamento tecnológico trazido de Lalín (Pontevedra). Os cães simplesmente haviam sumido. “Não vimos nada ontem”, disse Jaime Pereira, CEO da Aerocamaras, “mas queríamos ter certeza. Hoje estivemos revendo as imagens e confirmamos com as autoridades que apareceram pegadas humanas onde os cães estavam, por isso sabíamos que eles tinham estado ali”, explicou.

Os responsáveis pelo resgate violaram os limites que as autoridades impuseram em torno das zonas afetadas pelo vulcão, uma vez que a única forma de chegar à zona do tanque onde se encontravam os cães seria passando por cima de alguns dos fluxos de lava recentes no entorno. De acordo com medições feitas na quarta-feira pelos drones da Aerocamaras, em algumas áreas a lava alcançava temperaturas de 160 graus. Mas também há zonas frias que permitem o trânsito humano com uma câmara termográfica, à venda a partir de 180 euros.

Os veterinários que assessoram a companhia deixaram claro nesta quinta-feira que os cachorros não tinham saído sozinhos da ilha em meio à lava. “Se tinham comida e bebida no que consideram casa, não é normal que se aventurassem por cima da lava.”

Uma fonte da mídia local que publicou o vídeo, a Palmerus.es, também argumentou que os animais estão bem e que “ninguém arriscaria a vida pelos cães para depois deixar que fossem maltratados”, disse ao EL PAÍS por telefone . É muito difícil no momento, segundo diz, que alguém apareça e esclareça como foi a proeza porque “foi cometida uma ilegalidade, burlaram os controles”. A forma como o vídeo chegou ao site se deve provavelmente à proximidade com os protagonistas. “O vídeo começou a circular e passaram para nós”, conta. Apesar de acreditar que estão bem, ele não conseguiu confirmar com certeza o estado atual nem a localização dos cães: “As pessoas que pudemos contatar confirmam que estão bem”, acrescenta. Todas as informações de que dispõe, insiste a fonte, já estão no artigo que o Palmerus.es publicou em seu site.

Os primeiros indícios de que os cachorros tinham sido resgatados surgiram com as imagens da Aerocamaras, nas quais é possível ver deformações nas cinzas, correspondentes a pegadas humanas e, além disso, o cartaz deixado pelos socorristas na parede do reservatório. O pano, que estava preso por pedras, tinha virado do avesso por causa do vento, por isso os aparelhos não conseguiam ler o texto.

“Pelo menos eles tiveram bom humor”, declarou Pereira, resignado, perto da zona de exclusão. Sua equipe estava preparando a operação do drone havia três dias e fazia 24 horas que admitia estar surpresa por não conseguir encontrar os cães, nem com câmeras térmicas, nem chamando-os de uma maneira que deveria atraí-los. A informação sobre o resgate não oficial chega um dia depois de a Aerocamaras sobrevoar a área onde os animais estavam para tentar localizá-los e concluir seu plano de resgate. Embora o teste desta quarta-feira tenha sido “muito bem-sucedido”, o CEO da empresa admitiu que só conseguiram ver dois coelhos escondidos no mato.

Para que a Aerocamaras pudesse operar na zona foi necessária uma permissão do Plano de Emergências Vulcânicas das Ilhas Canárias (Pevolca), uma licença que chegou na última terça-feira. O seu porta-voz, Miguel Ángel Morcuende, garantiu nesta quinta-feira que o órgão tinha feito “tudo o que era possível fazer”, ou seja, mantê-los vivos fornecendo a eles comida e bebida e autorizando o seu resgate por drone, e a partir daí “não sabemos de mais nada”.

Fonte: https://brasil.elpais.com/sociedade/2021-10-22/um-misterioso-grupo-que-assumiu-o-resgate-dos-cachorros-ameacados-pelo-vulcao-de-la-palma-que-seriam-salvos-por-drones.html

 

Publicado em 1 comentário

Com drones, empresa tenta salvar cachorros ilhados por erupção nas Canárias

Com drones, empresa tenta salvar cachorros ilhados por erupção nas Canárias

Os especialistas que detêm câmaras chegaram hoje a Tenerife e amanhã irão a La Palma  para tentar realizar a operação de resgate de cães presos em dois tanques da aldeia de Todoque . Graças à colaboração de Iberia e Península, que foi possível material de logística de transferência e técnicos para Isla Bonita. Os responsáveis ​​pela operação esperam se reunir amanhã com os serviços de emergência para explorar a área e coordenar o possível resgate.

Aerocamaras se preparou contra o relógio para resgatar os quatro cães que estão presos no recinto de uma casa em La Palma como resultado dos fluxos de lava do vulcão Cumbre Vieja . A operadora galega utilizará um drone de carga que transportará um sistema logístico próprio adaptado às características dos animais. Junto com outro drone de apoio, os pilotos responsáveis ​​pela operação poderão planejar o vôo de resgate com segurança.

A equipa Aerocamaras responsável pelo resgate: Jaime Pereira, Borja Blanco e Daniel Romero, juntamente com um dos gestores de operações da Península Ibérica.

 

Em primeiro lugar, Aerocamaras pretende levar comida para os cães por meio do drone, além de inspecionar a área com uma câmera 30x e uma câmera termográfica. E, em segundo lugar, espera poder realizar o resgate dos animais assim que eles se acostumarem com a presença do UAS e com a logística e os pilotos acharem adequado para realizar a operação.

Os cachorros estão em uma lagoa localizada no município de Todoque , uma das mais devastadas pela erupção. A associação animalista Leales.org deu o alarme e pediu ajuda à operadora galega, que está a fazer todo o possível para que o salvamento seja efectuado da forma mais eficaz.

Por se tratar de uma operação única em Espanha e por envolver o risco de transporte aéreo de animais vivos , é necessária uma autorização especial das autoridades competentes . A Aerocamaras é uma empresa que trabalha sempre dentro da lei e, por isso, respeitaremos a decisão das autoridades com base nas condições meteorológicas e na evolução da erupção vulcânica.

Aerocamaras decidiu preparar este resgate com o único objetivo de ajudar os animais de forma altruísta e demonstrar que os drones podem ajudar em situações de emergência e resgates.

Treinamento e experiência em emergências

Unidade de Emergência Militar (UME) e o Grupo de Emergência e Resgate (GES) das Ilhas Canárias têm tentado resgatar os animais, mas o uso de helicópteros é inviável devido aos materiais (cinzas, piroclastos …) liberados pelo vulcão . O acesso por via terrestre também é difícil devido ao cerco de cinzas e lava que os rodeia. Por isso, os drones são a única forma viável de um possível resgate dos podencos, cujo monitoramento está sendo realizado por integrantes da protetora da UPA La Palma.

Aerocamaras é uma empresa com uma longa história no treinamento de cursos profissionais de emergência para drones e serviços de resgate. Entre seus alunos estão os drones das unidades de bombeiros dos municípios, das Forças e Corpos de Segurança do Estado e integrantes da proteção civil. Além disso, dispõe de meios e profissionais adequados para a sua realização.

Fonte: https://aerocamaras.es/aerocamaras-prepara-un-rescate-pionero-en-espana/

>>> PARA SABER O FINAL DA HISTÓRIA, CLIQUE AQUI 

 

 

Publicado em 1 comentário

Como escolher e contratar Empresas de Drone e serviços de filmagens e Fotos Aéreas com Drones? Cuidados e Verificações.

LEIA ANTES DE CONTRATAR UMA EMPRESA DE DRONE

Pilotos de Drones tem as mesmas responsabilidades de Pilotos de Aviões e Helicópteros sendo o Contratante co-responsável em todas as esferas Jurídicas. 

ATENÇÃO: Voar fora da regulamentação pode gerar multas de até R$ 40.000,00 para o piloto, além de outras que podem ultrapassar R$ 100.000,00 sendo que, o cliente também responde como co-responsável pela operação, além de poder resultar em apreensão do equipamento e prisão do Piloto.

 

O primeira item que o Contratante (Pessoa ou Empresa que vai precisar dos serviços) e o Contratado (Empresa que prestará o serviço) “é saber que ambos são “solidários” caso ocorra algo durante ou após o serviço prestado.

O durante seriam:

Para ver documentos de porte obrigatório, clique aqui.

O após seriam ações Judiciais contra a Contratante, Contratado e Piloto.

Perguntas:

  • Devo solicitar os documentos acima mencionados?
    • Sim, SEMPRE!!! Cada Empresa tem as suas próprias regras para a entrega destes documentos, não existe padrão ou regra, mas devem estar em suas mãos algum tempo antes da data e hora do serviço, pois se algo der errado, poderá procurar outra Empresa.
  • Devo Solicitar carteira de Piloto ou habilitação para pilotar Drone de quem fará o serviço?
    • Não, pois ainda (2021) não existe este documento. Para saber se o piloto é habilitado, basta pedir toda documentação acima principalmente a autorização de voo, pois para conseguir esta autorização, se faz necessário o Piloto estar cadastrado no DECEA, caso contrário, não conseguirá a autorização de voo. Neste ponto é muito importante que na data do evento seja verificado se o piloto que irá fazer o serviço é o mesmo que aparece na Autorização de voo e na Avaliação de Risco Operacional. Se for diferente, exija uma nova Autorização de voo que além de ser obrigação do Piloto, somente ele pode fazer isso e uma nova Avaliação de Risco Operacional que é obrigação da Empresa, mas poderá ser o Piloto a fazer constando o nome  correto de quem fará o serviço. Em caso de negativa por uma das partes, não autorize o inicio do serviço, pois voce é co-responsavel.
  • Devo contratar uma Empresa ou qualquer Pessoa que possua um Drone?
    • Sempre opte por Empresas (com CNPJ) que atendam a todas as normas e legislações vigentes, pois podem emitir Nota Fiscal o que uma Pessoa Física (CPF) não poderá.
  • Posso contratar Empresas novas no mercado ou apenas Empresas com um certo tempo no mercado?
    •  Isso não faz diferença em vários tipos de serviços, pois o resultado do serviço apresentado é que dirá sobre a mesma e afirmo que, Empresas novas poderão te surpreender. Para alguns tipos de serviços como casamentos entre outros que são momentos únicos, é recomendado sim Empresas que tenham uma boa experiência, mas se for usar as imagens apenas para agregar e que não farão falta se não ficarem tão boas, pode optar por uma de menos experiência sem nenhum problema. (Empresas novas, poderão te surpreender)
  • Devo Solicitar comprovação de serviços efetuados?
    • Atualmente pode-se ver os serviços executados no site das Empresas e até mesmo em redes Sociais de alguns serviços executados, porém Empresas novas (aquelas que podem te surpreender) terão pouca coisa para mostrar, podendo desta forma fazer um acordo com o responsável sobre a entrega e pagamento do serviço. Exemplo:  Uma Empresa já estabelecida e com experiência, irá cobrar de forma antecipada os serviços salvo raríssimas exceções que poderão ser faturadas ou parceladas, mas com Empresas novas poderá ser acertado um pequeno valor de entrada e o resto na apresentação ou todo o valor  logo após a apresentação do serviço contratado (tudo é uma questão de negociar).
  • Como é forma de pagamento deste tipo de serviço?
    • Não tem norma e/ou regra, cada Empresa tem a sua forma de cobrança, formas de pagamento e valores. Lembre-se que para uma Empresa atender legislações, normas e estar em dia com suas obrigações, tem um custo alto para isso nos dias de hoje.

 

  • Devo solicitar contrato?
    • Não que seja obrigatório, mas é interessante mesmo que seja uma formalização simples contando alguns dados como data, horário de trabalho, pessoas envolvidas, tipo de serviço, formas de pagamento entre outros que julgar necessário, pois podem evitar muitos problemas para ambas as partes. Não existe padrão ou regras para este tipo de documento, cada Empresa tem os seus próprios. Se ambas as partes desejarem trabalhar sem contrato, não tem nenhum problema.

 

  • Devo Exigir Nota Fiscal de Serviços? 
    • SEMPRE e preferencialmente da Empresa que prestará o serviço, pois existem “empresas” que não possuem CNPJ, tem apenas o nome de “empresa” e usam notas fiscais de outras Empresas “amigas” vulgas “parceiras” que muitas vezes nem são Empresas de serviços com Drones. Já tiveram casos de Empresas Contratantes que receberão Notas Fiscais de serviços de manutenção em computadores. Caso aceite este procedimento por melhor que seja as intenções, poderá ter dor de cabeça em possíveis e variadas ações judiciais futuras, em uma auditoria e até mesmo em um fiscalização. Recomendamos fazer o mais certo possível em tudo, pois se fazendo o certo já dá problemas e dores de cabeça, imagine só o que pode acontecer fazendo errado.

 

 

Publicado em 2 comentários

O que é e para que serve Seguro RETA Obrigatório para Operações Comerciais com Drones

O que diz a legislação sobre o Seguro de Drones no Brasil

Já se passou um bom tempo após a oficialização da legislação de Drones no Brasil e muita gente ainda sofre com dúvidas, medos ou até desconhece totalmente as regras. Vamos tratar aqui de uma parte importante e que é obrigação de todos que desejam utilizar comercialmente estas aeronaves, o Seguro de Drones.

“É obrigatório possuir seguro com cobertura contra danos a terceiros nas operações
de aeronaves não tripuladas de uso não recreativo acima de 250g (exceto
as operações de aeronaves pertencentes a entidades controladas pelo Estado).”

O que isso quer dizer? Que a não ser que você esteja fazendo um voo recreativo, que é aquele somente para hobby e que só pode ser feito em lugares específicos, ou que você esteja prestando um serviço para o Governo, você necessariamente precisa contratar um seguro de drones que cubra possíveis danos a terceiros.

O Seguro obrigatório para operações comerciais com Drones

O nome deste seguro é RETA, que significa “Responsabilidades do Explorador ou Transportador Aéreo”, que garante os danos pessoais e/ou materiais aos passageiros, tripulantes e suas bagagens, a terceiros no solo e a outras aeronaves, no caso de abalroamento ou colisão.

Esta definição do seguro de drones RETA parece ser feita para aeronaves tripuladas, não é mesmo? Mas isso justifica-se por se tratar de um tipo de seguro que também é utilizado nos mesmos termos para a aviação comercial tripulada.

Mas vamos ao que interessa a todos… Quanto custa um seguro desses? Isso vai inviabilizar a minha operação? Estas são perguntas que dependem de avaliação da sua operação para serem respondidas. O seguro vai custar R$ 472,79 ao ano, ou seja, um valor que equivale a menos de 10% do que é investido na maioria dos Drones que são utilizados para finalidades comerciais. No entanto, se você considerar o caso de uma empresa, como a FoxDrones que tem diversos Drones em operação, você terá que multiplicar este valor por 5 ou por 10 e isto começa a encarecer o negócio.

O seguro de Drones RETA tem o mesmo valor para qualquer Drone, seja ele mais caro ou mais barato e cobre até R$ 500.000,00 de prejuízo a terceiros. Ele é vinculado ao operador e ao número de série da aeronave, sendo pessoal e intransferível. Se você quiser substituir o seu Drone por outro, você poderá solicitar a substituição do número de série da aeronave relacionada a apólice do seguro para a empresa seguradora.

Empresas que sabemos que oferecem o seguro de drone RETA no Brasil: Mapfre e XL Catlin

Para contratar este seguro, você deverá recorrer a algumas corretoras como a Aeroconsult que é especializada em seguros aeronáuticos, ou poderá solicitar para empresa na qual você comprou seu Drone, caso ela ofereça o serviço.

SOBRE O SEGURO EM SÍ

1 – O que é o RETA?

O RETA trata-se de um seguro obrigatório regulamentado e fiscalizado pela ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil) que cobre até o limite da importância segurada.

O RETA é de responsabilidade civil de todo explorador de transporte aéreo.

2 – Como o Seguro para Drones RETA é contratado?

A contratação do seguro, deve ser realizada para cada aeronave cadastrada nos sistemas da ANAC e da ANATEL, por exemplo, se o piloto possui 3 equipamentos, cada um deles precisa de sua própria apólice de seguro, assim como seus devidos registros. Sua funcionalidade é bem similar ao seguro obrigatório de automóveis.

3 – O que preciso ter em mãos para poder contratar o Seguro para Drones?

É obrigatória a Homologação do drone na ANATEL, assim como seu cadastro na ANAC.

Sem estes cadastros não é possível realizar o seguro para seu Drone.

4 – E se eu não contratar um seguro RETA para Drones, o que pode acontecer?

Conforme regulamentação da ANAC o seguro para Drones no Brasil é obrigatório para todos os voos realizados.

Em suma, caso ocorra alguma fiscalização, e você não estiver portando toda a documentação necessária, seu equipamento poderá ser apreendido. Você pode responder na esfera civil, administrativa ou criminal, de acordo com a legislação. Sem falar nos riscos inerente à um acidente sem cobertura segurada.

 

Publicado em 1 comentário

Legislação e Regulamentação para uso utilização de Drones

Legislação e Regulamentação para uso/utilização de Drones

Entenda o panorama atual da regulamentação dos Drones

By Futuriste

Atualizado em 18/03/2019

Hoje vamos tirar um tempo para falar sobre Regulamentação dos Drones. Leis, regras e padrões existem para qualquer atividade profissional ou para a utilização de qualquer tipo de equipamento, internacionalmente falando.

A regulamentação dos drones, em vigência desde 2017, possibilitou a utilização profissional destas aeronaves, gerou credibilidade no Mercado e proporcionou o aumento expressivo do interesse de empresas de todos os portes nos serviços com Drones.

regulamentação dos drones
Graças a evolução da regulamentação dos drones no Brasil, em breve será possível criar padrões e regras específicas para diversas novas aplicações, como as entregas com Drones.

Por mais que nós brasileiros sempre desconfiemos da legislação brasileira e dos órgãos públicos responsáveis pela criação e governança da mesma, saiba que a regulamentação dos Drones no Brasil, apesar de ter demorado para ser implementada, hoje é case de sucesso mundial e inclusive autoridades da ANAC e DECEA costumam ser convidados para participar de simpósios internacionais para falar sobre o modelo criado por aqui.

Os Drones, hoje, são regulamentados por três órgãos: ANATEL, ANAC e DECEA.

Logotipo da ANATEL

ANATEL

A ANATEL exerce papel regulativo sobre dispositivos e equipamentos que emitam ou funcionem a base de radiofrequência para evitar interferências desnecessárias e demais problemas que podem ser causados. Desta maneira, assim como celulares, controles remotos, notebooks e outros dispositivos, os Drones obrigatoriamente precisam ser homologados (tanto rádio quanto a aeronave) pela Agência Nacional de Telecomunicações – ANATEL.

Confira o comunicado oficial do órgão aqui.

 

ANAC, o órgão regulador da Aviação Civil

ANAC

A Agência Nacional de Aviação Civil – ANAC é quem realmente dita as regras do jogo. A ANAC acompanhou o crescimento exponencial da demanda por Drones e lançou, em Maio de 2017, a regulamentação dos Drones (RBAC-94) para uso do espaço aéreo brasileiro.

Clique aqui, para baixar o documento oficial completo.

A ANAC criou um sistema muito simples, onde podemos fazer um comparativo como um sistema de “emplacamento” de carros, onde o piloto ou responsável pelo Drone, preenche um cadastro rápido com informações pessoais e também cadastra o Drone com informações como modelo e número de série da aeronave.

Link para acesso ao sistema SISANT -> https://sistemas.anac.gov.br/sisant;

Este sistema gerará um arquivo tipo pdf com as informações do cadastro, que posteriormente será requerido no cadastro do sistema do DECEA, que falaremos logo abaixo.

 

Resumo das regras que compõe a regulamentação dos drones no país

1 – Os Drones foram divididos em três categorias:

  • Classe 3 – RPA com peso máximo de decolagem mair que 250 g e menor que 25 kg;
  • Classe 2 – RPA com peso máximo de decolagem maior que 25 kg e menor ou igual a 150 kg;
  • Classe 1 – RPA com peso máximo de decolagem maior que 150 kg.

* Drones com menos de 250 g de peso são considerados brinquedo e têm o uso livre.

 

2 – Regras básicas de utilização dos Drones para atuação profissional

  • Necessário ser maior de 18 anos;
  • Não existe habilitação ou prova para operar Drones da Classe 3. Os cursos de drones existentes no Mercado são extremamente úteis para garantir boas práticas dos pilotos, maior confiança durante o voo, conhecimento da legislação, procedimentos de segurança de voo e dos drones e ainda orientações específicas de cada área de atuação, tais como mapeamentos, inspeções, foto e filmagem profissional.

 IMPORTANTE:  Algumas empresas oferecem certificados oficiais de órgãos como ANAC e DECEA, carteirinhas de piloto, brevê de piloto de drone, porém todos estes documentos não possuem validade oficial e inclusive podem ser enquadrados como estelionato ou propaganda enganosa.

  • É obrigatória a contratação de seguro de responsabilidade civil, conhecido como Seguro RETA. Este seguro cobre prejuízos a terceiros causados por possíveis acidentes com o Drone. Conheça tudo sobre os seguros de Drones clicando aqui.
  • Altura máxima de voo é de 400 pés ou 120m de altura (contada a partir do ponto de decolagem). Acima desta altura é necessário certificação de pilotagem específica (detalhes de como conseguir esta certificação ainda não foram divulgados pela ANAC).
  • Distância mínima horizontal de 30 metros em relação a pessoas, casas, prédios, veículos e animais. Caso haja uma autorização formal, chamada “anuência”, por parte das pessoas envolvidas o piloto poderá fazer uma aproximação além dos 35 m de distância.regulamentação dos drones
  • Estar afastado pelo menos 5 km de distância de aeródromos;

O que é o princípio de sombra?

Neste espaço não há tráfego aéreo, portanto não é legislado pelo DECEA; o voo deve ocorrer dentro de um raio de 30 m da estrutura mais alta da área, até 6 metros acima da altura máxima da estrutura. O responsável pelo local deve autorizar o voo.

regulamentação dos drones - princípio de sombra

 

Nesta modalidade, a aprovação por parte do DECEA é automática, sendo considerado apenas um comunicado de voo.

DECEA

O DECEA é o departamento militar responsável pelo controle do espaço aéreo. É necessário solicitar autorização de voo ao DECEA via sistema o sistema oficial Sarpas.

Nesta soliticação o operador informará dados como local do voo, aeronave utilizada, período, altura e outros dados básicos que o departamento utilizará para avaliar se é viável conceder a liberação do voo, de acordo com as regras vigentes e o tráfego aéreo presente.

Você pode acessar a plataforma SARPAS para solicitar a liberação do seu voo aqui.

 

 Quais são os documentos obrigatórios que devo portar?

Selo de homologação da Anatel – no rádio e no drone

regulamentação dos drones - selo da anatel

 

Manual de voo do Drone

manual obrigatório de drone

 

Documento de avaliação de Risco, para ver modelo clique aqui

Para baixar o modelo de instruções da ANAC, Clique aqui .

 

Documento de cadastro na ANAC


Exemplo de documento gerado pelo sistema SISANT da ANAC

 

Documento com a liberação de voo do DECEA

Apólice de seguro RETA

regulamentação dos drones - seguro reta
Imagem meramente ilustrativa de uma apólice de seguro RETA

 

Regulamentação dos Drones para Aeromodelismo ou voos recreativos

  • A operação de aeromodelos deve ser realizada em locais destinados para tal, como clubes e pistas de aeromodelismo, e suficientemente distantes de áreas densamente povoadas.
  • É proibida a operação de aeromodelos motorizados nas proximidades de áreas ou instalações urbanas sensíveis ao ruído, como hospitais, tempos religiosos, escolas e asilos, assim como, de zonas de aproximação e decolagem de aeródromos e na presença de público.
  • Os equipamentos devem respeitar a restrição de não operar nas zonas de aproximação e decolagem de aeródromos e nunca devem ultrapassar altura superior a 120 metros (400 pés) mantendo o equipamento sempre ao alcance da visão do piloto.
  • O documento que informa os locais apropriados para a prática de aeromodelismo é o AIC N17 do DECEA. Clique aqui para baixar o documento completo.

 

Considerações finais

Apoiamos integralmente o uso consciente dos Drones, tanto profissinal quanto recreativo.

A sensação de segurança e a credibilidade é o que fez o setor de aviação civil crescer no passado e esta deve ser a mesma base para os drones.

Novas aplicações, novos investimentos e a evolução natural do setor dependem diretamente do uso consciente e produtivo dos operadores.

Portanto, vamos respeitar a legislação e colher os frutos que os drones têm a nos oferecer.

Fonte: Futuriste Tecnologia

Publicado em 1 comentário

Documentos de porte obrigatório durante as operações com Drones

 

ATENÇÃO: Voar fora da regulamentação pode gerar multas de até R$ 40.000,00 para o piloto, além de outras que podem ultrapassar R$ 100.000,00 Sendo que, o cliente também responde como co-responsável pela operação, além de poder resultar em apreensão do equipamento e prisão do Piloto.

 

Documentos de porte obrigatório durante as operações com Drones

Para realizar operações com aeronaves não tripuladas RPA ou aeromodelos com peso superior a 250g e de acordo com as classes é obrigatório portar os seguintes documentos:

* (exceto aeronaves não tripuladas com peso de decolagem até 250g ou aquelas operadas pelos órgãos de segurança pública e defesa civil)

Para Drones de maior porte (Classe 1 e 2) e voos acima de 400 pés (mais de 120 metros)

  • Licença e habilitação de piloto válidas para operações acima de 400 pés em relação ao nível do solo ou que atuarem em operações de RPAS Classe 1 e 2.
  • Extrato do Certificado Médico Aeronáutico (CMA) válido para pilotos de aeronaves não tripuladas da Classe 1 (mais de 150 Kg) ou 2 (mais de 25 kg e até 150 kg)

Importante! A lista acima refere-se às exigências previstas no regulamento da ANAC. Outros documentos podem vir a ser necessários, de acordo com as normas do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL), Secretaria da Receita Federal ou outros órgãos ligados ao assunto.

.
.
.
O regulamento divide as aeronaves em três categorias: veículos com mais de 150 kg; veículos entre 25 e 150 kg; drones com peso abaixo de 25 kg.

As exigências previstas no regulamento para cada uma delas:

  • veículos com mais de 25 kg: registro na Anac

  • veículos com mais de 250 gramas e até 25 kg: cadastrado no site da Anac

  • veículos com peso inferior a 250 gramas: não precisam ter qualquer cadastro

Quem pode pilotar?

No caso de drones para uso não recreativo, o piloto deverá ter mais de 18 anos, independente do peso do equipamento. Para os drones de maior porte, acima de 25 quilos, será exigida uma habilitação especial para o piloto com Certificado Médico Aeronáutico e também registro de voo.

Para drones com menos de 25 quilos e que forem voar abaixo de 120 metros, não é preciso fazer registro de voo.

A emissão de licenças para pilotar drones com mais de 25 quilos ou para voos acima de 120 metros ainda será normatizada. Segundo o gerente de normas da Anac, Rafael Gasparini, o primeiro caso de licença emitida será usado para referência para os próximos.

Gasparini destacou que os interessados em obter a licença devem entrar em contato com a Anac. Para isso, o profissional deve ter que passar por um exame de proficiência e conhecimento.

Autorização para sobrevoar pessoas

O regulamento limita a operação de drones a uma distância de 30 metros de pessoas que não derem autorização, com exceção dos órgãos de segurança pública.

Segundo Gasparini, essa proibição praticamente inviabiliza o uso de drones para fazer entrega de mercadorias nas cidades, já que não poderão sobrevoar pessoas que não tiverem dado autorização para isso.

O uso de drones para fotos em eventos públicos, como passeatas e shows, também fica proibido, a não ser que os equipamentos sejam de órgãos de segurança pública. Em show em locais fechados e em jogos de futebol, por exemplo, Gasparini explicou que o público poderá dar autorização no momento da compra de ingressos.

Quem for flagrado usando drones em desacordo com as normas aprovadas pela Anac pode responder a processo administrativo, civil e penal. O piloto pode até ser preso se for considerado que o uso do equipamento coloca embarcações ou aeronaves em perigo, ou que traz risco direto à vida ou à saúde de outras pessoas.

Para quem quiser operar drones não recreativos, como os aeromodelos, o superintendente de aeronavegabilidade, Roberto Honorato, recomenda que sejam usados equipamentos com menos de 25 quilos e que eles sejam mantidos a menos de 120 metros de altura e a mais de 30 metros de distância das pessoas que não tenham dado autorização.

Cadastro

O regulamento exige registro de todos os drones com peso superior a 250 gramas, mesmo que as aeronaves sejam usadas para recreação. Até 25 quilos, o cadastro do equipamento pode ser feito pela internet, mas apenas se a aeronave não for voar acima de 400 pés, cerca de 120 metros.

Para as aeronaves com mais de 25 quilos, é preciso registro no Sistema Aeronáutico Brasileiro, como ocorre com as aeronaves tripuladas. Os cadastros devem ser atualizados a cada dois anos.